01

jul
Vlog: Sobre o Curso de Jornalismo e Como Ganhei Um Oscar!
Em: Vlog

collage

E como prometido, mais um vlog! Se você acompanha o blog já sabe um pouco da história do Oscar e das minhas impressões do curso de Jornalismo, mas se você é um visitante… Chegue mais perto, aqui, na primeira fileira para assistir esse vídeo. =D

Agora, antes de ir embora, vocês clique aqui e se inscreva no canal, ok? Obrigada. 


Postado por Camila Veloso
30

jun
Até Logo

c2ae216eec64ced62562b9402803ce27

Foi uma morte inesperada, o homem era forte e saudável até o pior acontecer. Da última vez em que fui a igreja antes de voltar de férias o encontrei falando alegremente, como sempre. Será que ele sabia que aquela seria a última vez?

No enterro, com todas aquelas pessoas olhando atônitas para o caixão, me perguntei como em dois mil não nos acostumamos com ela, a morte. Na verdade, acho que essa é uma verdade aterradora demais para ser levada como normal, mas com tanta ciência e tecnologia alguns esperavam que tivessem pensado em alguma coisa. Qualquer coisa.

Vesti preto, prendi o cabelo, e me atrasei um pouco de propósito. Não queria ver o corpo e agradeci por chegar e ver que o caixão já estava fechado. No final da cerimônia o pastor fez uma oração e de olhos fechados podíamos ouvir as placas de concreto sendo colocadas para fechar o túmulo. Achei aquilo uma falta de respeito, mas quando olhei para aqueles trabalhadores os vi pensando ‘’ Já está morto, querida. Morto’’.

Depois do amém, ficamos todos ali, em pé, esperando por mais alguma coisa. Deveríamos simplesmente ir embora e deixar nosso amigo ali? Isso parecia cruel demais, real demais.

Sem alternativas, pouco a pouco fomos saindo daquele transe e cada um achou o caminho até a saída do cemitério. Chorei com aquelas meninas como se o meu próprio pai tivesse sido enterrado, porque um dia serei eu vendo meu pai dentro de um caixão, é tudo uma questão de tempo.

Como as pessoas sobrevivem a isso? Não sei, e não quero descobrir. A morte não é algo natural, não deveria ser. Fomos criados com um pedaço do infinito dentro do peito e a finitude nos magoa mais do que tudo. Se me permitem, eu acredito que um dia verei este irmão no céu, então ao invés de adeus, vou dizer até logo.

Até Logo.

 


Postado por Camila Veloso
29

jun
Diário de Look: Frio

DSC09089

Não sei lidar com o frio. Ponto. Não sei o que vestir, como fotografar, nem escolher quantos cobertores vou usar de noite. Enfim… 

 

A Saia é da Riachuelo, o sapato é de uma loja de um shopping de Niterói que visitei a anos atrás e a Jacketa… Ok, esqueci, mas posso afirmar que foi em uma loja Fast Fashion – C&A , Riachuelo, Renner. 


Postado por Camila Veloso
28

jun
Entrevista: Nahor Neves de Souza Jr.

899810_923547231036154_1665652350_o

No fim do meu primeiro semestre da faculdade tivemos que fazer um Jornal Impresso. Minha turma fez duas edições e falo um pouco sobre isso neste vídeo que postei a poucos dias no canal. Enfim… Fiz algumas entrevistas nesse semestre e gostei tanto do conteúdo que resolvi posta-las para vocês aqui. Aproveitem, aprendam, e pensem!

 

A entrevista:

 

Nahor Neves de Souza Jr. é geólogo pela Unesp, mestre e doutor pela USP. Começou a carreira universitária fazendo física, transferiu para geologia e se diz criacionista por questões científicas. Já deu aula nas duas universidades em que estudou e fundou o curso de Engenharia Civil no Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), em 1998. Na entrevista concedida ao Tribunasp, Nahor fala um pouco sobre o universo das universidades e afirma: O evolucionismo não é uma teoria cientifica.

O MEC afirmou em 2013 que o Criacionismo não deveria ser ensinado nas escolas pois se trata de uma crença religiosa e não de ciência. O criacionismo é uma ciência?

A definição clássica de ciência é o conhecimento que usa a observação, experimentação. Mas quando um cientista vai procurar entender as origens ele está em um terreno que não vai ser abordado apenas com uma linguagem cientifica, pois os eventos das origens irreproduzíveis. Tanto no criacionismo como no evolucionismo existe muita argumentação cientifica, assim como também existe argumentação metafísica, que pode ser religiosa ou filosófica. Segundo essa afirmação nem o evolucionismo nem o criacionismo deveriam ser ensinados pois não se classificam como ciência, mas sim como paradigmas

O senhor já deu aulas na USP E UNESP. Como é o Ambiente Universitário nas Universidades seculares no quesito Religião e correntes cientificas?

Infelizmente o evolucionismo se impõe, e muitas vezes de forma inquisitiva. Se você tiver uma ideia diferente é afastado, não continua a carreira, e não consegue publicar seus artigos científicos. Essa Situação se repete também nos Estados Unidos, e o filme documentário Expelled mostra essa realidade.

Como geólogo, o senhor poderia me responder se a geologia sustenta o Criacionismo?

Nos 20 anos que passei na USP e na Unesp entendi a proposta da evolução e me afastei desta, pois, minhas pesquisas pessoais mostraram que a história que as colunas geológicas contam é bem diferente da história que eu ouvia na universidade. Não vejo uma teoria onde a terra teve grandes períodos de calmaria em que os seres evoluíram lentamente, mas vejo catástrofe nos fósseis, muitos dos quais estão em posição de agonia porque foram soterrados em vida. O panorama das colunas geológicas é catastrófico e contínuo, o que sustenta o criacionismo.

Na sua opinião, alunos de escolas e faculdades confessionais ficam em desvantagem, no nível educacional, por terem acesso ao criacionismo?

Muito pelo contrário, o espaço da universidade é para diálogo e não para imposição. Se você for fazer um curso de biologia no Unasp de São Paulo por exemplo, na grade curricular irá encontrar matérias de biologia pura, científica, com interpretações evolucionistas e criacionistas. O ambiente das escolas confessionais é muito mais democrático do que aquele que eu vivenciei nas universidades seculares.

A última pesquisa do IBGE, de 2010, revelou que 86% da população é cristã. As universidades públicas se sustentam com a verba que vem do governo, que vem da população através dos impostos. Porque então essas universidades que são ‘’ sustentadas’’ por uma maioria cristã não recebe bem o criacionismo?

Existem nas universidades os chamados patrulheiros ideológicos, e estes são cuidadosos em possibilitar a permanência única e exclusiva do evolucionismo. A mídia também cumpre o seu papel ao colocar uma definição equivocada, de que o evolucionismo é uma teoria cientificamente comprovada, e que criacionismo é uma teoria literalista e equivocada da bíblia.

 


Postado por Camila Veloso