11

jul
Diário de Looks: Quem é vivo sempre aparece

DSC01485

Não me lembro da última vez que postei um look aqui. Acho que foi antes de passar na faculdade, antes de toda a loucura de mudança e adaptação começar. As fotos daquele último post ficaram tão boas que voltei ao mesmo lugar. Infelizmente voltei mais tarde e a iluminação não estava tão boa. Enfim…

Cortei o cabelo. 😉 Voltei de férias e prometi a mim mesma que traria o blog de volta à vida. Lendo os posts antigos percebi que esse aqui é, além de um espaço para falar com vocês, um espaço para falar comigo mesma e não posso abandonar isso. 

DSC01497DSC01441DSC01462talveDSC01438

Blusa estampada de tecido fino. Tennis da Keeds. Jeans simples.


Postado por Camila Veloso
08

jul
Aprendendo Italiano através da Música

okk

Um minuto de silêncio para celebrar a minha volta e enquanto isso você pega seus fones, ok? Ótimo. No post de hoje finalmente trago mais músicas para meus queridos autodidatas que querem aprender italiano, e, com a novidade de que são estilos musicais diferentes dos que estão presentes nos outros posts. Prontos?

Gemelli DiVersi

O grupo é antigo, lançou o primeiro álbum em 1998, e se você procurar pelas músicas do grupo vai encontrar clipes que lembram os Backstreet Boys nos dias de glória. A música que coloquei aqui é a mais atual do grupo e, mesmo que não gostem das outras, ouvi-la vai fazer o algoritmo do Youtube de sugerir mais músicas em italiano. =)

Emis Killa

Esse é um raper italiano que começou em um concurso chamado ‘’ Tecniche Perfette’’. Depois disso Emis assinou um contrato com uma gravadora onde publicou 3 albuns. Com um pouco de esforço consegui entender algumas palavras da música de Emis. É mais difícil por ser Rap, mas uma ótima opção de ritmo já que os outros grupos italianos as vezes tem uma melodia mais melodramática.

E ai, que acharam? Tem mais alguma sugestão? Deixe aqui nos comentários. Preciso da ajuda de vocês também =)


Postado por Camila Veloso
28

jun
Para Sempre

c23dd4140b40d2064746fc8300d2de7c

Eu devia ter suspeitado quando ouvi o silêncio. Devia ter percebido que alguma coisa real se perdia naquele momento, mas tudo o que fiz foi achar estranho.  A cidade toda parecia de luto. Em silêncio. Nenhum carro, nenhuma moto, nenhum caminhão buzinando e nenhum bêbado gritando na rua. Será que todos tinham ido embora? Eu com certeza trocaria todos eles por ela.

A aula terminou mais cedo e voltei para casa. Fiz o almoço e quarenta minutos depois já tinha terminado de comer tudo o que queria. Foi quando senti aquela sensação de vazio…. Devia ter percebido quando senti o vazio, mais do que quando o ouvi. Deveria ter ligado para ela, tê-la impedido. Mas o que eu poderia fazer para impedi-la de tirar a própria vida? Sei que ela não tinha o direito, mas talvez eu tivesse menos ainda sobre ela. E se ela não estava feliz…

Pensei nela enquanto voltava para casa, enquanto estudava e no exato momento em que meu telefone tocou.

– Alô? Bernardo? …

Me disseram que ela estava no hospital e tive esperanças de encontrá-la com vida. Só soube do suicídio depois. A mãe dela chorava e se debatia, me perguntando o porquê e o que eu havia feito com a filha dela. Tudo o que eu queria era ter uma reposta, mas a verdade é que não faço a mínima ideia do porque minha namorada se matou. Ela parecia feliz, me dizia estar feliz, mas então…

Poucas coisas fazem sentido desde então. De vez em quando sonho com ela, e nesses sonhos ela sempre me diz que está cansada. Talvez ela tenha me dito isso uma ou duas vezes, mas como eu saberia que isso era um sinal suicida? Eu também estava cansado, todos ficamos cansados, não é? Tudo bem porque não importa mais. Já faz três meses que aconteceu e a cada dia tudo parece mais distante. Não queria lembrar de tudo isso assim, de forma corrida, mas eu precisava escrever. Precisava porquê…. Bem…. Hoje alguém me fez rir. Alguém como ela, mas diferente, e foi ótimo para variar. Sei que ela está morta agora, mas gostaria de registrar aqui que ainda me lembro dela. Me lembro e vou me lembrar para sempre, vou amá-la para sempre, mesmo que ela não me amasse o suficiente para viver.

Ass: Bernardo da Silva.

 


Postado por Camila Veloso
23

maio
Parabéns Atrasado

d64bdb3a5910b6a901232b3df2d23311

Hoje minha mãe me perguntou se eu não queria voltar para casa. Eu disse que não. Pensei sobre isso depois, antes, e no exato momento em que dizia aquilo para ela. Não, eu não quero voltar. Não quero porque preciso mudar. Não quero porque preciso aprender. Não quero porque preciso crescer. Não. Não posso. Não quero. Não devo. Mas sim….

Lá no fundo, do lado direito do peito, junto daquela vontade de comer chocolate o tempo inteiro, existe um Sim escondido. Um Sim que guardei em segredo. Um Sim que vai me fazer escolher o emprego que for mais perto da família um dia. Um Sim que vai fazer meus filhos almoçarem na casa da vovó todos os domingos. Um Sim que me pega nos dias frios e me faz ter que relembrar todos os motivos para ter me mudado para tão longe. Porque Sim.

Sim, eu gostaria de voltar. Gostaria de ter o melhor dos dois mundos. Faculdade, independência, e almoço da mãe. Desafios, crescimento, maturidade, e conversas sem hora para acabar com o pai. Abraçar meu irmão, ver televisão com a minha tia, visitar meus avós mais vezes e sair com meus primos para comprar açaí. Sim, eu gostaria. Adoraria. Mas não posso.

A vida não é assim, fácil. Não podemos ter tudo, não é? Ou talvez possamos, um dia, um belo dia que não é hoje. Mas enfim…. Para acabar o texto logo antes que vocês achem que estou apenas reclamando da vida, sim, eu gostaria de voltar, mãe. Mas também gosto daqui, e gostaria de voltar para cá também. E por isso vou ficar, preciso ficar, por hora. Por alguns anos que passarão rapidamente. E aí eu volto. Volto antes até, nas férias e sempre que possível. Sempre. Para sempre. Até que a morte nos separe.

Feliz Dia das mães atrasado. =)


Postado por Camila Veloso