28

jul
No que Acreditas?

329f171bb4713e87688cc407904af993

Vi um vídeo que falava sobre crenças. Não sei se essa seria a palavra correta, mas o vídeo mostrava várias pessoas ao redor do mundo contando no que e em que acreditavam. Resolvi falar sobre o que acredito também.

Eu acredito em Deus. Acredito no amor da minha família.

Acredito em planos divinos. Acredito que tenho um talento.

Eu acredito no medo. E acredito que eu não deveria acreditar nele tanto assim.

Acredito que eu não deveria fazer Jornalismo. E acredito que tomei a decisão certa ao trancar a faculdade.

Eu acredito na morte. Tenho mais que certeza da vida eterna.

Acredito que a solidão existe, e mora perto. Acredito na beleza dos outros.

Acredito que o mundo é perigoso. Acredito que crianças são maléficas.

Acredito que o mundo não está caminhando para uma era eterna de sucesso, e sei que ando acreditando em coisas ruins.

Acredito que pessoas são frágeis, que sonhos são reais, e que o tempo te arrasta com ele.

Acredito que vou ser escritora profissional um dia, e acredito que sou inteligente. Tipo assim… Muito. 😉

Acredito que Deus tem um plano para mim, e acredito que tenho uma missão.

Acredito que algumas pessoas estão aonde deveriam estar, e que isso não me inclui naquele mesmo lugar.

Acredito que ser adulto é difícil, e acredito que não vou escapar.

Acredito em livros, em pessoas boas, e em altruísmo.

Acredito na psicologia, e sei que não levo jeito para essa profissão.

Enfim, acredito em várias coisas que por enquanto me são relevantes, e acredito que daqui a um tempo não acreditarei mais em toda a lista.

E você, no que acredita?


Postado por Camila Veloso
28

jul
Diário de Look: I’m Back!

DSC09381

I’m Back! Haha, queridos, quem é vivo sempre aparece, não é? Me desculpem pelo hiato. Faculdade, férias e confusões pessoais tomaram todo o meu tempo, mas agora estou de volta. Dei uma arrumada na casa e aqui estou.

DSC09246DSC09286 DSC09396DSC09393DSC09345

 

Calça Estampada – Havan. Blusa de lã – C&A. Sapatilha – Moleca


Postado por Camila Veloso
01

jul
Vlog: Sobre o Curso de Jornalismo e Como Ganhei Um Oscar!
Em: Vlog

collage

E como prometido, mais um vlog! Se você acompanha o blog já sabe um pouco da história do Oscar e das minhas impressões do curso de Jornalismo, mas se você é um visitante… Chegue mais perto, aqui, na primeira fileira para assistir esse vídeo. =D

Agora, antes de ir embora, vocês clique aqui e se inscreva no canal, ok? Obrigada. 


Postado por Camila Veloso
30

jun
Até Logo

c2ae216eec64ced62562b9402803ce27

Foi uma morte inesperada, o homem era forte e saudável até o pior acontecer. Da última vez em que fui a igreja antes de voltar de férias o encontrei falando alegremente, como sempre. Será que ele sabia que aquela seria a última vez?

No enterro, com todas aquelas pessoas olhando atônitas para o caixão, me perguntei como em dois mil não nos acostumamos com ela, a morte. Na verdade, acho que essa é uma verdade aterradora demais para ser levada como normal, mas com tanta ciência e tecnologia alguns esperavam que tivessem pensado em alguma coisa. Qualquer coisa.

Vesti preto, prendi o cabelo, e me atrasei um pouco de propósito. Não queria ver o corpo e agradeci por chegar e ver que o caixão já estava fechado. No final da cerimônia o pastor fez uma oração e de olhos fechados podíamos ouvir as placas de concreto sendo colocadas para fechar o túmulo. Achei aquilo uma falta de respeito, mas quando olhei para aqueles trabalhadores os vi pensando ‘’ Já está morto, querida. Morto’’.

Depois do amém, ficamos todos ali, em pé, esperando por mais alguma coisa. Deveríamos simplesmente ir embora e deixar nosso amigo ali? Isso parecia cruel demais, real demais.

Sem alternativas, pouco a pouco fomos saindo daquele transe e cada um achou o caminho até a saída do cemitério. Chorei com aquelas meninas como se o meu próprio pai tivesse sido enterrado, porque um dia serei eu vendo meu pai dentro de um caixão, é tudo uma questão de tempo.

Como as pessoas sobrevivem a isso? Não sei, e não quero descobrir. A morte não é algo natural, não deveria ser. Fomos criados com um pedaço do infinito dentro do peito e a finitude nos magoa mais do que tudo. Se me permitem, eu acredito que um dia verei este irmão no céu, então ao invés de adeus, vou dizer até logo.

Até Logo.

 


Postado por Camila Veloso